domingo, 26 de fevereiro de 2017

14 planetas mais bizarros já descobertos

O universo e seus corpos celestes são um mistério que sempre cativou a humanidade. Desde a antiguidade, o céu vem sendo usado como mapa, calendário ou relógio. No Antigo Egito, os egípcios observavam as fases da lua e construíram os chamados relógios de sol, artefatos antigos que serviam para determinar a hora do dia, usando como referência a posição do Sol. A história da astronomia envolve um período de tempo tão antigo quanto a origem do próprio homem, e de fato, a astronomia é considerada a mais antiga das ciências naturais.

Ao longo de sua história, a astronomia fez descobertas impressionantes, dentre elas, planetas tão bizarros que em muitos casos, fogem à imaginação. Conheçam 14 planetas totalmente assustadores:


14. 55 Cancri e:


Esse planeta peculiar está muito perto de sua estrela, que gira em torno dele, em 17 horas e 46 minutos apenas. Ele possui duas faces totalmente diferentes. Em uma, reina a escuridão eterna, enquanto a outra está coberta de lava fundida pelo calor de sua estrela Copernico. 55 Cancri e é muito inóspito, sua temperatura de superfície atinge 2 148 graus Celsius devido à sua proximidade com sua estrela. Mas o mais surpreendente é que este planeta muito quente é em grande parte composto de diamante, grafite, de ferro e de silício.



13. HD 189733 b:


O HD 189733b, que orbita a estrela HD 189733, apresenta particularidades curiosas: além se revelar à vista humana em uma cor azul cobalto, o planeta é constantemente fustigado por ventos sete vezes maiores à velocidade do som e por tempestades de vidro - enquanto tem a superfície, constantemente voltada para a estrela, aquecida a mais de 1.000°C.

Na verdade, é justamente essa temperatura que causa os estranhos fenômenos meteorológicos. Como a atmosfera é cheia de partículas de silicato, uma vez que elas se condensem diante da altíssima temperatura, o resultado são inúmeros nacos de vidro despencando do céu à velocidade nada convidativa de mais de 7,2 mil quilômetros por hora.

12. Kepler 70 b:


O Kepler 70 b tem um dos ambientes mais extremos já encontrados em um planeta. Ele orbita a Kepler 70, uma estrela moribunda a uma distância absurdamente próxima à estrela. Para se ter uma idéia, a Kepler-70b completa uma órbita em torno da sua estrela (ou seja, completa um ano) em apenas 5,76 horas, um dos períodos orbitais mais curtos de qualquer sistema exoplanetário já descoberto.

Quando Kepler 70 envelheceu, a estrela se expandiu para se tornar uma gigante vermelha há cerca de 18,4 milhões de anos atrás. Por causa da proximidade extrema de 70b à estrela, o planeta foi envolvido na atmosfera de expansão da Kepler 70, e conseqüentemente teve sua atmosfera totalmente destruída. Sua superfície registra temperaturas de até 6.800 graus Celsius. O calor, maior que o de algumas estrelas, está fazendo com que o planeta se evapore, e no fim, tudo o que va sobrar será seu núcleo de ferro.

11. Tres-2b:


TrES-2b, definitivamente, não é um lugar recomendado para quem tem medo de escuro. Ele é o planeta mais escuro já descoberto até hoje, não refletindo quase nenhuma luz a partir de sua própria estrela. O planeta está localizado fora do Sistema Solar e está a 4,8 milhões de quilômetros de distância da sua estrela. Ele tem mais ou menos o tamanho de Júpiter e é extremamente quente, com cerca de 980ºC (ou 1.800ºF), ou seja, não é exatamente habitável. Composto por um material desconhecido menos refletor que o carvão, em sua superfície circula um ar mais quente que a lava fervendo.

Os cientistas ainda não sabem exatamente o motivo pelo qual isso acontece. Existe a possibilidade de o planeta ser composto por produtos químicos que absorvem luz, como sódio gasoso, potássio ou óxido de titânio, além de o lugar ser tão quente que não permita que as nuvens se formem ou até mesmo de esse fenômeno ser algo tão raro que os pesquisadores ainda não fazem ideia de sua causa.

10. Planeta de carbono


O carbono forma apenas cerca de 0,1% da massa da Terra (daí a escassez de materiais à base de carbono, como os combustíveis fósseis e diamantes). Perto do centro da nossa galáxia, no entanto, onde o carbono é mais abundante do que o oxigênio, a formação de planetas é muito diferente. É aqui que você encontra o que os cosmólogos chamam de planetas de carbono. O céu da manhã em um mundo de carbono não seria nada claro nem azul. Imagine uma névoa amarela com nuvens negras de fuligem. À medida que você desce para a superfície, você encontra mares feitos de compostos como o petróleo e alcatrão. A superfície do planeta possui poços de metano borbulhantes e lama negra. A previsão do tempo não parece boa: está chovendo gasolina e asfalto. Mas veja o lado bom disso tudo: pelo menos um planeta de carbono é dominado por diamantes.

09. Netuno


Em Netuno, pode-se encontrar fluxos de ventos constantes que chicoteiam ao redor do planeta em velocidades assustadoras. Os ventos de Netuno empurram nuvens congeladas de gás natural a partir da Grande Mancha Escura do planeta, um furacão do tamanho da Terra, em uma velocidade que pode atingir os 2.500 km/h. Isso é mais que o dobro da velocidade necessária para quebrar a barreira do som. Tais forças eólicas são claramente além do que um ser humano poderia suportar. Uma pessoa que pousasse em Netuno seria rasgada e se perderia para sempre nessas correntes violentas de vento. Permanece um mistério a forma como o planeta recebe a energia necessária para conduzir os ventos mais rápidos do sistema solar, apesar de estar tão longe do sol, e ter um calor interno relativamente fraco.

08. 51 Pegasi b


Apelidado de Belerofonte, em homenagem ao herói grego que domou o cavalo alado Pégaso, este gigante de gás tem mais de 150 vezes a massa da Terra e é composto principalmente de hidrogênio e hélio. O problema é que Bellerophon é assado à luz da sua estrela em mais de 1.000 graus Celsius. A estrela está mais de 100 vezes mais perto de Bellerophon do que o Sol está da Terra. Por um lado, este calor cria uma atmosfera extremamente ventosa. Conforme o ar quente sobe, o ar frio apressa-se a substituí-lo criando ventos de mais de 1.000 km/h. O calor também garante que nenhum vapor d’água exista. No entanto, isso não significa que não há chuva. Isso nos leva a principal peculiaridade de Belerofonte. Esse calor intenso permite que o ferro que compõem o planeta seja vaporizado. À medida que o vapor sobe, ele forma nuvens de vapor de ferro, semelhante ao conceito de nuvens de vapor de água aqui na Terra. A diferença, porém, é que essas nuvens procedem uma chuva implacável de ferro fundido sobre o planeta (não se esqueça de seu guarda-chuva…).

07. COROT exo-3b


O exoplaneta mais denso e maciço já descoberto é um mundo conhecido como Corot-exo-3b. É do tamanho de Júpiter, mas 20 vezes mais massivo que o nosso vizinho cósmico. Isso faz com que COROT-exo-3b seja cerca de duas vezes tão denso como chumbo. O grau de pressão exercida sobre um ser humano que anda sobre a superfície do tal planeta seria insuperável. Com uma massa 20 vezes maior do que Júpiter, um ser humano pesaria quase 50 vezes o que ele pesa na Terra. Essa enorme pressão iria esmagar o sistema esquelético de uma pessoa quase que instantaneamente. Seria o equivalente a um elefante sentando em seu peito.

06. Marte


Em Marte, uma tempestade de poeira pode se desenvolver em questão de horas e envolver todo o planeta dentro de alguns dias. Elas são as maiores e mais violentas tempestades de poeira em nosso sistema solar. Os ventos dessas tempestades podem superar os 300 km/h. Após ela surgir, pode levar meses para que se dissolva.

05. WASP-12b


Simplificando, este planeta gigante é o mais quente já descoberto. Com uma temperatura média de 2.200 ºC, ele orbita sua estrela mais perto do que qualquer outro mundo conhecido, a apenas 3,4 milhões de km. Desnecessário dizer que tudo o que o homem conhece, inclusive o próprio homem, derreteria instantaneamente em tal atmosfera. Para colocar isso em perspectiva, a superfície do planeta tem cerca da metade da temperatura da superfície do nosso Sol e é duas vezes mais quente do que a lava. Ele também orbita a sua estrela em um ritmo alucinante. Ele completa uma órbita completa a cada dia terrestre.

Esse planeta está sendo devorado por sua própria estrela. A NASA afirma que o fenômeno acontecerá em um período relativamente curto para o tempo do cosmos: 10 milhões de anos.

04. Júpiter


A atmosfera de Júpiter fabrica tempestades duas vezes maiores do que a Terra. Estas tempestades geram ventos de até 640 km/h e relâmpagos titânicos 100 vezes mais brilhantes do que os do nosso planeta. Por baixo dessa atmosfera assustadora e escura, está um oceano de 40 mil quilômetros de profundidade, feito de hidrogênio metálico líquido. Aqui na Terra, o hidrogênio é um gás incolor e transparente, mas no núcleo de Júpiter, o hidrogênio se transforma em algo nunca visto em nosso planeta. Em camadas exteriores do gigante gasoso, o hidrogênio é um gás, assim como na Terra. Mas, conforme você vai mais fundo, a pressão atmosférica aumenta. Eventualmente, a pressão se torna tão grande que ela chega a comprimir os elétrons dos átomos de hidrogênio. Sob tais condições extremas, o hidrogênio se transforma em um metal líquido, condutor de eletricidade, bem como de calor. Além disso, como um espelho, ele reflete a luz.

03. Plutão


(Nota: Plutão já não é tecnicamente classificado como um planeta). Não deixe a imagem enganá-lo – Plutão não é uma das maravilhas do inverno, e sim um mundo extremamente frio, onde o nitrogênio, monóxido de carbono e metano cobrem a superfície como a neve durante a maior parte do seu ano que equivale a 248 anos terrestres. Esses sorvetes foram transformados do branco para um rosa-marrom devido às interações com raios gama a partir do espaço profundo e do Sol distante. Em um dia claro, o Sol fornece tanto calor quanto a lua cheia fornece para a Terra. A temperatura varia de -228 a -238 ºC. Não é difícil imaginar que seu corpo iria congelar instantaneamente.

02. CoRoT-7b


A temperatura neste planeta é tão quente que pode vaporizar rochas. Cientistas que modelaram a atmosfera de CoRoT-7b determinaram que o planeta provavelmente não tem gases voláteis (dióxido de carbono, vapor de água, nitrogênio), e em vez disso, é provável que ele seja composto do que poderia ser chamado de rocha vaporizada. A atmosfera de CoRoT-7b pode ter sistemas meteorológicos que, ao contrário do clima úmido da Terra, produzem chuvas de rocha vaporizada sobre uma superfície da lava derretida. E se o planeta ainda não lhe parece inóspito, saiba que ele também pode ser um pesadelo vulcânico.

01. Vênus


Quem deu a Vênus, o segundo planeta a partir do sol, o apelido de “gêmeo da Terra”, estava totalmente errado. Exceto em seu tamanho, Vênus não é nada parecido com a Terra. Para começar, a atmosfera de Vênus é cheia de gases de efeito estufa, como o dióxido de carbono. Esses gases são responsáveis ​​por fazer este planeta um verdadeiro “inferno”. Nossa atmosfera, que é a principal responsável pela distribuição da energia (e calor) que recebemos do sol, tem o efeito oposto de Vênus. Em vez de controlar a temperatura para que ele tenha um clima mais tropical, a atmosfera de Vênus super-aquece o planeta. É tão quente que é totalmente inóspito para qualquer tipo de vida que estamos familiarizados.

Além disso, o dia de Vênus é mais longo que o seu ano. Sim, você leu certo. É preciso mais do que 243 dias terrestres para Vênus completar uma rotação inteira sobre o seu eixo, enquanto leva mais de 225 dias terrestres para fazer uma órbita completa em torno do sol. Então, como seria viver em Vênus? Nada divertido. Você seria sufocado pelo ar tóxico quase que instantaneamente… e esmagado pela colossal pressão atmosférica – tão densa que caminhar sobre a superfície de Vênus seria como andar abaixo de 3.000 metros de água aqui na Terra.



Fontes de pesquisa:
Listverse: 10 Terrifying Planets You Don’t Want To Visit
Astronomia e Universo: 10 planetas aterrorizantes que você não gostaria de visitar
Astronoo: Exoplaneta de diamante 55 Cancri e
Megacurioso: Planeta azul com tempestades de vidro pode ajudar a buscar novas Terras
Megacurioso: TrES-2b – Conheça o planeta mais escuro já descoberto pelo homem
KongLITU: Kepler-70b: The Remnant of a Time Long Past

Um comentário:

  1. Amo tudo sobre planetas! Tenho planetas em tudo, universo me deixa facinada! Netuno tão lindinho! Amei o post!

    ResponderExcluir