quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Os Druidas


Nos tempos antigos, os druidas eram filósofos, professores, conselheiros e mágicos, preocupados com o mundo natural e seus poderes. As árvores dos druidas eram consideradas sagradas, especialmente o carvalho. A origem da palavra 'Druid' vem de 'doire', uma palavra irlandês-gaélico para carvalho, isso também significa sabedoria.

Os druidas eram uma casta sacerdotal existente entre o povo celta. Os celtas eram um povo tribal que vivia na Gália, Grã-Bretanha, Irlanda e outras partes da Europa, Ásia Menor e os Balcãs. O povo celta adotou o druidismo como sua religião, e dentro desta religião havia sacerdotes e sacerdotisas. Restos de Druidismo ainda existem atualmente. O druidismo foi propagado oralmente, por isso não há registros escritos.

O druidismo remonta de milhares de anos antes de Cristo, é uma religião xamânica, abraçando tanto o mundo espiritual quanto a medicina holística. Árvores, plantas e flores eram muito importantes para os druidas. Os druidas são pessoas pacíficas, com amor à natureza, e que praticavam magia e admitiam aprendizes a quem passavam seus valiosos conhecimentos. Dentro de suas "faculdades" ensinavam magia, filosofia, astronomia, astrologia, geometria, música, ciência e matemática.


Seus locais de culto,ou mais conhecidos como Templos, eram erguidos sempre em áreas isoladas, às vezes como de círculos de pedra. Um dos mais famosos círculos de pedra é o Stonehenge na Grã-Bretanha, embora não se sabe se foram os druidas, os construtores do mesmo. O Stonehenge remonta de 2400 aC.

Havia uma hierarquia dentro druidismo, determinada através de suas vestes. Roupagem com a coloração mais desgastada descrevia a classe ao qual o druida pertencia. Os Bardos Azuis pertenciam ao primeiro grau de aprendizado do druidísmo e eram conhecidos como a clásse artística, compondo músicas e escrevendo poesias. Os Ovates ou Vates, estavam no segundo grau de aprendizado e eram os magos e médicos, sempre usando vestes verdes. O mais sábio, ou o mais velho druida sempre usava roupagens douradas ou brancas, e era conhecido como Arch-druida. Os druidas menos relevantes e os mais novos, vestiam-se de marrom ou preto, recebiam tarefas menores, e não se tinha por eles alta estima. O druidismo era uma religião muito ordenada que seguia os ciclos da natureza e oferecia um caminho espiritual.

O uso de ervas curativas, flores, plantas e árvores, eram essenciais para os druidas. Eles misturavam suas loções e poções com reverência, eram filosóficos, sábios e praticantes excepcionais de magia. Eram misteriosos e tinham poderes sobrenaturais, sendo inclusive conhecidos por sua capacidade de comungar com os mortos, voar, controlar os elementos, invisibilidade, e também eram caminhantes do tempo, tendo a capacidade de viajar para o passado ou para o futuro. Eles eram habilidosos na interpretação de sonhos, pesadelos e as mensagens contidas nestes eram muito importantes para os druidas. Eram ávidos leitores de presságios, também praticavam sacrifícios ritualísticos, e sua sabedoria tradicional se preocupava com filosofia, teologia e fenômenos naturais.

O fogo era muito importante para os druidas. Era associado com a limpeza e era considerado símbolo das divindades. Os druidas tinham crença na reencarnação, e podiam ler o futuro pela observação dos vôos e chamados de pássaros.

Embora fossem pacíficos, a prática de matar uma vítima era uma das maneiras pelas quais os druidas tinham para ler presságios. Para tal, escolhiam alguém, e então mergulhavam um punhal no estômago do escolhido, e por fim, dependendo do spray de sangue, mensagens de eventos futuros eram recolhidos.

Mesmo acreditando que toda vida animal fosse sagrada, os animais ainda eram caçados e mortos para seu sustento. Os druidas acreditavam que haviam diferentes espécies de animais, que, ao serem usados para a alimentação, ofereciam discernimento, previdência, sabedoria ou conhecimentos específicos. Dizia-se que os druidas entravam em contato com os espíritos dos animais e com eles comunicavam-se, pois imaginava-se que estes tinham a capacidade de deixar seu corpo e viajar pelo reino espiritual.

Os Druidas adoravam a Lua, o Sol e as estrelas. O carvalho foi especialmente significativo para o druidismo. Colinas, lagos, córregos e plantas também eram importantes, visco e azevinho eram especialmente relevantes. Seu ano civil seguia os ciclos lunares e solares, seus principais feriados eram o Imbolc (o primeiro sinal da primavera), Beltane (a plenitude da vida após a primavera onde a gente dança pelado em volta da fogueira na maior suruba), Lughnasadh (comemorando o amadurecimento dos primeiros frutos e louvar as divindades Lugh e Samhain. O fim da colheita e o desbaste do véu entre o mundo dos mortos e os vivos.) Presentes eram deixados para os espíritos.


Reuniões especiais acontecIam em lugares santificados, onde as diferentes comunidades de druidas se reuniam e se banqueteavam.

Os Druidas eram intelectuais, orgulhavam-se muito de aprender e ensinar, eram muito poderosos e respeitados, pessoas que violavam as leis sagradas eram banidas. Os Druidas podiam entrar entre exércitos diferentes para impedir a guerra, e eles não tinham que servir em batalha ou pagar impostos. As mulheres druidas eram permitidas, se quisessem, participar de guerras, mas também tinham o direito de se divorciar de seus maridos se estivessem infelizes no relacionamento.

Havia uma forte crença na transferência da alma de um corpo para outro, o propósito do ser único para alcançar a iluminação. Os druidas tinham uma crença na adoração de várias divindades. O todo-poderoso Merlim era um professor druídico iluminado, Ele acreditava que o conhecimento deveria ser adquirido pelo seu poder, e isso, por sua vez, ajudaria a dissipar a ignorância e a superstição.

César documentou o estilo de vida Druida na Gália, além de algumas de suas práticas, quando ele invadiu a Grã-Bretanha em 55 aC. Ele escreveu que os druidas possuíam leis rígidas, com a elite controlando sacrifícios públicos e privados. Se alguém desobedecesse aos decretos do druida chefe, este receberia como castigo, o banimento dos sacrifícios e sendo impedidos de assistir às festas religiosas. Quando um chefe druida morria, outro era coroado, isto é, a menos que houvesse vários de igual mérito, e neste caso, os demais fariam uma votação, embora às vezes a prática levasse a surtos de violência. Júlio César escreveu ainda que os druidas tinham longos e intensos discursos filosóficos sobre o tamanho do universo, a Terra, os corpos celestes e seus movimentos, e o poder e atributos dos deuses.

Júlio César observou que os druidas na Gália formavam uma federação que cruzava fronteiras tribais, os druidas se reuniam anualmente, mantendo grande influência sobre assuntos sociais e políticos. Muitos queriam aderir à ordem dos druidas, onde podiam embarcar no estudo da astronomia, da astrologia, da tradição dos deuses, dos versos antigos e da filosofia.

Devido ao ataque de Roma, a prática druídica perdeu grande parte de seu poder político e acabou sucumbindo ao cristianismo, embora os rituais e ensinamentos orais continuassem em segredo, o druidismo era rotulado como uma religião pagã. Existem práticas modernas de druidismo baseadas em conceitos antigos.

Os Druidas acreditavam no Outro Mundo, um reino existente além do físico, mas não menos real. Sua crença era que os mortos eram levados pelo Deus Beleno para o Outro Mundo, onde sua vida continuava como antes da morte, porém quando eles morriam no Outro Mundo, sua alma imortal reencarnaria da forma que eles escolhessem. Quando a alma aprendesse o suficiente, eles passariam para o próximo reino que tem seu próprio Outro Mundo. Isso continua até que o indivíduo chegue à "Fonte", a partir da qual todas as coisas são criadas, este é o reino mais alto. Os Druidas acreditavam que o Outro Mundo poderia ser visitado durante os sonhos, enquanto sob hipnose, em um transe xamânico, ou durante a meditação. A existência do Outro Mundo é uma crença sagrada druídica.

Há uma linha tênue entre a alquimia e toda a tradição druídica, embora os druidas não sejam considerados alquimistas. Extratos de plantas e compostos, derivados de árvores e flores foram utilizados pelos druidas, e com este material, eles fizeram mágicas poções, elixires e remédios. Através da preparação cuidadosa, eles conjuraram a magia, especialmente a magia do sexo usando esses compostos. Os druidas transmitiram seu conhecimento através da tradição oral em galês, e suas técnicas eram altamente secretas e nada era revelado fora do círculo druídico. Uma planta mágica celta foi usada para tratar doenças, e eles eram a nossa versão de médico que prescrevia remédios.

A tradição no uso de plantas é baseada no poder do cosmos e em uma compreensão de seus habitantes, tradições estas ricas e complexas. Rituais usando magia vegetal eram uma ocorrência cotidiana, juntamente com um núcleo profundo de espiritualidade. O coletivo Druida compreendeu os princípios da alquimia e as tradições chinesas da teoria dos cinco elementos, terra, ar, fogo, água e éter. Os druidas acreditavam no espírito comum e alma compartilhada por todo o reino vegetal, eles entenderam as qualidades espirituais detidas dentro das plantas.

Para fazer suas misturas complexas, folhas das plantas eram usadas, junto com bagas, nozes, madeiras, flores e raízes. Eles também usavam urtigas, algas, ervas, grama, cogumelos, juntamente com uma mistura de plantas raras e difíceis de encontrar e flores. Alguns elixires poderia levar meses para ficarem prontas, e cada mistura era feita para um uso específico.

Antes de fazer suas misturas, os druidas se certificavam de conhecer as qualidades e energias específicas das plantas necessárias. A potência das plantas poderia ser aumentada ou diminuída dependendo do estado das plantas a serem utilizadas. A localização, as plantas que cercam aquela a ser usado, sua saúde e sua idade, enfim, todas as características eram observados, cada planta conténdo a energia de sua espécie.

As flores eram especialmente importantes na tradição druídica, as propriedades curativas das flores eram significativas, observava-se o ciclo de vida das flores e seu lugar no mundo. A planta de floração passa por um dos três ciclos de vida, sendo esta, bienal, perene ou anual, as etapas da floração: germinação, crescimento, floração e produção de sementes. O ciclo é concluído dentro de um ano, florescendo apenas uma vez, produzindo sementes e, em seguida, morrem.

As árvores eram de extrema importância para os druidas, pois usavam as propriedades espirituais (mágicas) e físicas da árvore, levando em conta o ciclo de vida da árvore e seu lugar no mundo. Uma árvore pode ter uma vida de centenas de anos.


Para fazer suas misturas mágicas, os druidas tinham uma oficina específica que era extremamente importante para eles. Estes locais continham um depósito de tudo o que era significativo para eles, um lugar para executar seus rituais e um espaço de trabalho onde eles faziam suas misturas mágicas e treinavam seu poder. A oficina crescia de acordo com a habilidade do Druida em particular.

Os druidas usavam etanol, que é encontrado em vinhos e bebidas espirituosas, o que eles conseguiram através da fermentação de açúcares naturais.

Suas ferramentas e equipamentos eram muito importantes para eles e eram meticulosamente mantidos sempre ao seu alcance. Duas ferramentas importantes eram sua adaga e corda.

Uma flor muito usada na mistura dos druidas era o Cornichão, (Lotus corniculatus). Uma das árvores mais reverenciadas era o carvalho, esta árvore sobrevive por milhares de anos. Existem mais de quatrocentas espécies de carvalho, e o carvalho pode levar até sessenta anos para atingir a maturidade reprodutiva. Os druidas acreditavam que o carvalho era a árvore mais significativa e mágica.

Os Druidas usavam suas misturas contra impotência sexual, para aumentar a energia gerada através do orgasmo e para o tipo de energia que o indivíduo canalizava na prática dos rituais de magia sexual. Os druidas tinham a capacidade de aumentar a energia sexual dentro dos relacionamentos cotidianos. Eles acreditavam que a relação sexual entre duas pessoas era de extrema importância. Para este ritual um aspecto importante era amplificar o clímax, de forma a concentrar o orgasmo.

Antes de qualquer ritual os Druidas se preparavam, limpando o corpo, limpando a energia interna e preparando a mente. O primeiro passo era a limpeza do corpo, realizada em casa; o segundo passo era a limpeza da energia interna, podendo ser realizada em casa ou na oficina; a terceira era a preparação da mente, realizada minutos antes do início do ritual, tudo sendo feito mantendo um silêncio estoico. Água energizada pela lua era usada para a limpeza física. O sacerdote ou sacerdotisa druídica tirava água de uma nascente natural e colocava-a em um recipiente, que seria deixado na parte de fora durante a noite para absorver as energias da lua.


Um círculo protetor era desenhado para que o ritual fosse conduzido dentro dele, este era responsabilidade do sacerdote ou sacerdotisa, desta forma o indivíduo é protegido de qualquer adversidade ou energias negativas. O Círculo também focaliza a energia, apenas aqueles dentro do círculo são incluídos no ritual, os de fora observavam.

Os Druidas eram seres místicos e poderosos que se baseavam nos poderes do Universo e dos elementos naturais.

Os Druidas modernos também reverenciam a Natureza, sentindo uma profunda conexão com o Universo e com o Criador e a Criação. Existem organizações de Druidas em todo o mundo, cada uma delas abraçando aspectos do druidismo antigo, realizando rituais e reverenciando a Natureza. Alguns reconhecem dias sagrados, sendo estes (solstícios e equinócios), as festas solares, sendo estes Beltienne, Samhainn, Imbolg e Lughnasadh. Estes festivais são celebrados ao ar livre em um espaço sagrado escolhido.

Dia moderno Druids escolher que tipo de filosofia antiga que desejam seguir. Um dos maiores e mais conhecidos mestres druídicos foi Merlim, com muitos ainda seguindo suas filosofias. Os Sete Preceitos de Merlin são:

(1) Trabalhe diligentemente para adquirir conhecimento, pois conhecimento é poder.
(2) Quando em posição de autoridade, decidir razoavelmente, pois sua autoridade pode acabar.
(3) Carregar com determinação os males da vida, lembrando que nenhuma dor mortal é perpétua.
(4) Ame a virtude - pois traz paz.
(5) Abandone o vício, porque traz mal.
(6) Obedecer aos que estão em autoridade em todas as coisas justas, para que a virtude possa ser exaltada.
(7) Cultiva as virtudes sociais, assim serás amado por todos os homens.


Fontes:
Britannia: Who were the Druid, anyway?
Hiduth: The Way Of The Druid
Wikipédia: Druid
Wikipédia: Druida

Nenhum comentário:

Postar um comentário