quarta-feira, 29 de julho de 2015

A misteriosa morte de Sandra Bland


Sandra Bland era uma mulher afro-americana ativista dos direitos dos negros e crítica ferrenha da brutalidade da polícia norte-americana. Foi encontrada morta em uma cela de prisão em Waller County, Texas, em 13 de julho de 2015. O laudo policial aponta para suicídio. Será mesmo? Entenda melhor a história de Sandra, e descubra o grande mistério por trás de sua morte.


Sandra Bland foi parada por uma infração de trânsito no dia 10 de julho de 2015 em Prairie View, Texas, a noroeste de Houston. O motivo? Sandra não dera sinal para mudar de faixa na estrada. De acordo com o policial, Bland teria sido violenta durante a abordagem (diz-se que a mulher chutara o policial), e como consequência, foi autuada por agressão à funcionário público e levada em cárcere. Ela foi levada para a prisão de Waller County. Três dias depois, Sandra foi encontrada em sua cela, enforcada com um saco plástico enrolado em seu pescoço e amarrado à cama de cima do beliche.

Quando Bland foi presa, sua fiança foi fixada em US $ 5.000. De acordo com a polícia, na manhã de 13 de julho, por volta das 7h00, a foto da mulher foi tirada para o booking photo (livro onde a foto dos presidiários é colocado). Na ocasião, duas fotos foram tiradas, uma de frente e outra de perfil, como manda o procedimento padrão. Às 8h00, Sandra pedira para fazer um telefonema. Por volta das 9h00, o corpo de Bland foi encontrado em sua cela. A autópsia revelou que a morte foi causada por asfixia, resultante de suicídio.

Por ser uma ativista dos direitos civis com nível universitário, é claro que a morte de Sandra Bland geraria um grande furor, e suspeitas começaram a emergir. É aqui que a história começa a ficar cabeluda.

Curiosamente, o circuito de câmeras da prisão de Waller County não registrou nenhuma imagem das 7h34 até por volta das 9h07. O motivo? Desconhecido.

Outro ponto importante que levou sua morte à ser questionada no mundo todo: os formulários supostamente preenchidos pela mulher mostravam inconsistências impares. Num depoimento, Bland conta a funcionários da prisão que sofria de epilepsia e tomava um medicamento contra a doença. Já no questionário preenchido por ela, foi marcada a opção "não" para a pergunta sobre a ingestão de medicamentos. Os papéis afirmam ainda que Bland já havia tentado o suicídio, após perder um bebê, mas divergem sobre a data do episódio. Um dos questionários indica que a jovem tomou medicamentos após o incidente, ocorrido em 2015, enquanto um formulário preenchido por outro funcionário do presídio diz que a tentativa de suicídio ocorreu em 2014. Um dos papéis indica que Bland teve pensamentos suicidas no ano passado; outro diz que este não é o caso. No entanto, de acordo com os documentos, Bland não tinha pensamentos suicidas quando foi presa. O escritório do xerife explicou que as inconsistências surgiram porque Bland foi interrogada duas vezes e que ela havia dado respostas diferentes durante cada um dos dois exames. Confuso, certo?

Em uma tentativa de acalmar a controvérsia crescente, a polícia apressadamente lançou o vídeo da prisão de Bland que mostrou o policial parando-a por não sinalizar uma mudança de pista. Imediatamente telespectadores observaram que o vídeo havia sido editado. As imagens mostram claramente carros e pessoas que aparecem e desaparecem na estrada (prova de que o vídeo foi cortado) enquanto ouve-se o áudio de Bland e Encinia durante a abordagem. Ambos começam a "argumentar" quando Encinia exige que Blad apague o cigarro que estava fumando dentro de seu carro. Ambos discutiam, mas diferente do que foi dito, Sandra não estava sendo violenta com o oficial até que ele a obriga a sair do carro. O Departamento de Segurança Pública do Texas, disse que as irregularidades no vídeo foram resultados de "questões técnicas" que ocorreram quando o vídeo foi postado. O vídeo foi retirado e substituído por uma versão atualizada.



A polícia então publicou uma das fotos do booking photo de Sandra, mas, novamente, uma série de discrepâncias foram notadas, o que deixaram a história ainda mais bizarra que antes, e muito mórbida também. Na foto, Bland estava usando o macacão laranja da prisão, o que é incomum, já que as pessoas que são detidas são fotografadas usando suas próprias roupas, e não o uniforme da prisão. A informação foi confirmada depois de encontradas fotos de outros detidos, que de fato usavam suas próprias roupas na hora da foto.


Mais preocupante que isso, na foto de Bland, a mulher parecia estar deitada. Sua cabeça estava contra uma superfície acinzentada e seus olhos estranhamente vazios, um "look" muito diferente do que era a fotogênica Bland, que sempre saia bela em fotos. Na foto do booking photo, o cabelo de Sandra parece estar caído para trás, tocando a parte cinza onde ela parece ter sido apoiada, os ombros estão retos e seu rosto repuxado, como se estivesse de fato deitada. Outro ponto que chamou atenção foi que pode-se notar que o lado esquerdo de seu rosto está caído, um sinal característico de privação de oxigênio.

Segunda foto revelada.

Quando a polícia foi questionada sobre os elementos ímpares na foto, uma segunda fotografia de Bland foi publicada, mais precisamente a de perfil. Com essa imagem, a policia esperava que as suspeitas de que a mulher estivesse morta durante a sessão de fotos fosse minimizada, o que é claro, não aconteceu, já que a imagem estava toda borrada e escura, o que dificultava a distinção da pessoa.


Em seguida, uma terceira foto de Bland emergiu, ainda mais aterradora que as demais. Supostamente essa seria a foto real de Sandra, já morta. Junto com a fotografia, uma nota afirma que a primeira imagem havia sido posteriormente editada para fazer os olhos de seu corpo já sem vida parecerem abertos. A fonte da foto é desconhecida.

Foto tirada pelo repórter
Foto de outra emissora, tirada antes da imagem acima. Note a bíblia fechada.

Um estúdio de televisão local que estava cobrindo o bizarro caso recebeu a permissão de enviar um repórter para entrar na cela de Sandra. O repórter notou uma Bíblia aberta sobre a mesa de Bland e tirou uma foto rápida da mesma. Depois de analisar imagens de outras fontes de estação, ele notou que a Bíblia tinha estado presente em fotos tiradas anteriores à sua visita na cela, mas que a mesma encontrava-se fechada. Curioso sobre a estranha mudança na cena do crime, o repórter ampliou a fotografia da Bíblia, e descobriu que ela havia sido aberto em um versículo do livro de Salmos. O verso lê:

“Though I constantly take my life in my hands, I will not forget your law.  The wicked have set a snare for me, but I have not strayed from your precepts. Your statutes are my heritage forever; they are the joy of my heart.  My heart is set on keeping your decrees to the very end.”

Em português:

"A minha vida está sempre em perigo, mas não me esqueço da tua lei. Os ímpios prepararam uma armadilha contra mim, mas não me desviei dos teus preceitos. Os teus testemunhos são a minha herança permanente; são a alegria do meu coração. Dispus o meu coração para cumprir os teus decretos até o fim."

Afinal, o que levou Sandra Bland à morte?Foi algo acidental, brutalidade policial ou suicídio? Talvez nunca saibamos.

Referências: O Povo

5 comentários:

  1. oi metz, tudo bem?
    caramba, essa segunda foto está muito bizarra!

    ResponderExcluir
  2. Li isso às 3:26 e senti um enorme desconforto. Volto para comentar algo racional amanhã

    ResponderExcluir
  3. Ela simplesmente foi assassinada,um plano bem elaborado...entretanto houve falhas...mas se tratando de quem foi,logo o caso foi esquecido mas o objetivo principal foi cumprido:mata-la :)

    ResponderExcluir